Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

7 coisas a saber sobre Legionella

06.11.17, Eu e a Outra

No seguimento do surto de Legionella do Hospital S. Francisco Xavier, deixo-vos 7 factos sobre esta bactéria.

 

1. Legionella causa a doença dos Legionários, um tipo de pneumonia. O nome foi dado porque o primeiro surto registado foi em 1976 numa convenção da Legião Americana em Filadélfia. 

2. É uma doença rara, mas com 10% de taxa de mortalidade. 

3. O contágio de pessoa para pessoa é possível, mas muito raro.

4. Legionella existe naturalmente em ambientes de água doce (lagos, riachos, termas, etc).

5. A Legionella é perigosa quando contamina os sistemas de água artificiais (especialmente depósitos de água e sistemas de ar condicionado), por isso a prevenção é a chave do sucesso.

6. Normalmente, a transmissão acontece pela inalação de vapor ou gotículas de água contaminada, não pela ingestão.

7. As bactérias instalam-se nos pulmões e causam pneumonia entre 2 a 10 dias após o contágio. 

 

2 coisas que me enervam em aeroportos e viagens de avião:

05.11.17, Eu e a Outra

1. Oferecerem-te uma garrafa de água à saída de um voo e depois obrigarem-te a deitá-la fora ao passar a segurança do voo de conexão.

 

2. Viajares de dia e não veres o sol uma única vez, nem conseguires ler o livro enorme que te deste ao trabalho de carregar porque as janelas estão todas fechadas e a cabine está um breu.

 

Depois de 28 horas de viagem, só preciso de duas coisas muito simples: um banho e uma cama.

 

 

O que não falta na minha mala?

03.11.17, Eu e a Outra

Eu tenho muita sorte porque tenho oportunidade de viajar tanto a nível profissional como pessoal.

A primeira vez que andei de avião tinha 2 anos e, desde então, todos os anos tiveram no mínimo uma viagem de avião. A primeira vez que andei sozinha de avião tinha quase 5 anos (mesmo quase, era o dia anterior ao meu aniversário). Quando cresci mais um bocadinho, as viagens tornaram-se mais frequentes. E acho que tenho um bichinho que se começa a inquietar quando passo muito tempo sem sair do meu ambiente. 

 

A ciência, apesar de não ser a profissão mais fácil para se viajar, não é má de todo. Se tivermos vontade, e especialmente trabalhando em medicina tropical, conseguimos sempre viajar um pouco, seja para participar em conferências, estabelecer colaborações, ou fazer trabalho de campo.

 

Para muitas pessoas (a minha mãe por exemplo), a parte mais chata de viajar é fazer a mala. Mas, para mim não, por dois motivos: primeiro, porque sou muito prática e não preciso impreterivelmente de grande coisa, segundo, porque fazer a mala é o primeiro passo da viagem e todo o percurso de uma viagem é incrível e merece ser apreciado. No entanto, há coisas básicas que não podem faltar, especialmente quando são viagens longas. Aqui fica a minha checklist:

 

Na bolsa ou mala de mão (para além do passaporte, telemóvel e meios de pagamento):

  • Escova e pasta dos dentes (mesmo que a companhia dê pasta do dentes nos saquinhos de viagem, são sempre péssimas e só dão para uma lavagem). Por muito cuidado que tenhamos, depois de 6, 8, 12 horas num avião precisamos de lavar a dentuça.
  • Toalhitas de limpeza e desodorizante - Da mesma maneira que a boca precisa de uma limpeza, se calhar as nossas áreas mais propícias ao suor também agradecem.
  • Cremes para a cara e mãos - O ar do avião seca imenso a pele por isso é conveniente durante o voo ir aplicando creme.
  • Agasalho - As temperaturas nos aviões oscilam muito. Em voos noturnos, é prática comum baixarem a temperatura ambiente para as pessoas poderem descansar melhor (e eu acho que é também para não suarem tanto ). Por isso, um casaco, um xaile, algo confortável e que aqueça um bocadinho nunca deve faltar.
  • Almofada de pescoço - Aqui falo contra mim; nem sempre levo a minha por ocupa um bocadito de espaço, mas quando levo o mundo torna-se um lugar melhor. É que ao fim de 3 horas já não há lugar para tantas partes do corpo. 
  • Água - Quer peçam à hospedeira, quer levem convosco, quer escolham ambas as opções (eu, eu!), é preciso beber muito para combater a desidratação provocada pelo ar do avião, as mudanças de temperatura e de pressão.
  • Carregador de telemóvel - não precisa de explicação, pois não? E agora a maioria dos aviões grandes já têm local para carregar os gadets no assento. 
  • Caneta e caderno - a caneta dá extra jeito para preencher os formulários à chegada aos diversos países, mas eu quando viajo tenho sempre imensas ideias que preciso de passar a papel. 

 

No corpo:

  • Calçado e roupa confortáveis - não há qualquer razão válida para fazermos um voo longo vestidos como princípes e princesas. Please. E meninas, deixem a maquilhagem para aplicarem à chegada ao destino, a vossa pele agradece. 

Na mala de viagem:

  • Adaptador de tomada
  • Repelente de insetos (se forem para um sítio quente)
  • Medicamentos básicos (ex. paracetamol, anti-histamínico, pensos rápidos, imodium, anti-ácido)
  • Snacks - e se vos der uma fominha a meio da noite? Um pacote de bolachas, ou uns frutos secos fazem sempre jeito.

 

No smartphone:

  • Música!
  • XE (app conversora de moedas)
  • Google Translate
  • Nota com as moradas e números de telefone importantes do destino
  • App de saúde atualizada

 

 

E vocês, o que acham? Digam-me o que acrescentariam e o que acham que não vale pena!

Novembro, seu gato.

01.11.17, Eu e a Outra

Com a mesma força que detesto o mês de Outubro, adoro o de Novembro. E não, não é pelas castanhas. É porque normalmente me traz coisas boas. E este ano vai ser ainda melhor.

 

 

Que Novembro seja um mês incrível!    ||    May November be awesome!

november.jpg 

Pág. 2/2