Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

10
Mai18

Quando o coração está longe ...

Já vos contei que sou uma quase expert em relações à distância? 

 

Então eu explico. Quando comecei a namorar com o meu marido morávamos em países diferentes. E assim continuámos por 3 anos. Principalmente no início de uma relação, a proximidade é muito importante e nisso tivemos sorte porque eu passei os primeiros dois meses em Portugal. Depois disso, sobrevivemos com viagens de fim-de-semana a cada 6-8 semanas, o facto de eu ter três semanas no Natal e na Páscoa de tempo de estudo passado em Portugal, e de ter 2 meses de férias de verão (bons tempos!). 

 

Quando ao fim desses três anos decidi ficar a trabalhar no Reino Unido e mudar para uma cidade que na altura só tinha voos para o Porto no verão, decidimos passar a morar juntos. Ele veio para cá comigo e arranjou um emprego que adorava, mas adivinhem lá: exigia viajar três meses do ano.

 

Não há problema, dissemos nós. É pouco tempo. Lá vivemos assim dois anos até que ele decidiu mudar para um emprego aqui perto de casa. Começou por ser durante o dia, mas depois sem aviso foi passando para a noite. Resultado: morávamos juntos, via-o todos os dias mas nunca passávamos dias inteiros juntos. 

 

Em Dezembro do ano passado, ele teve uma proposta do trabalho anterior que ele tanto gostava e decidi aceitar. Agora são cerca de cinco meses (não seguidos) fora. Para o ano serão mais, provavelmente. 

 

A isto juntam-se as minhas viagens de trabalho que duram de uma (peanuts!) a cinco semanas. Até agora, todas as viagens longas calharam na altura em que o homem está em casa. (Sorte, eu sei!)

 

E é isto. O melhor de tudo é que apesar de todas as dificuldades e os desejos de passarmos todos os dias juntos, gostamos demasiado do que fazemos para vivermos de qualquer outra forma.

 

Sete anos depois:

Namoro à distância - check 

Casamento à distância - check 

 

Será que o próximo passo será ter filhos à distância? 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D