Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

Eu e a Outra

Coisas maravilhosas, coisas assustadoras, viagens exóticas, dia-a-dia monótono, bichinhos tropicais e muito amor. Ponham-se confortáveis que vamos começar.

13
Set18

Fizemos rafting no rio Tara

Três factos sobre o rio Tara:

 

    1. É uma fronteira natural que divide Montenegro e a Bósnia.

 

    2. É o maior reservatório de água potável do mundo.

 

    3. É o segundo maior desfiladeiro do mundo (logo a seguir ao Grand Canyon, nos Estados Unidos).

 

Fomos numa altura calma, os rápidos não eram muito fortes, mas mesmo assim foi muito bom.

A água estava a cerca de 10ºC, mergulhamos, nadamos, vimos quedas de água. E saímos de lá cansados, prontos para um almoço à maneira, até porque 17km a remar não é brincadeira. 

 

Vejam o vídeo :) 

 

 

02
Set18

Agora é que são as vistas mais lindas.

À medida que nos afastamos de Kotor, vamos percebendo que é ainda mais bonito ao longe. Do cimo da montanha, ganhamos perspectiva do quão complexa é a tipografia do terreno. Parecem ilhas e ilhotas, mas na maior parte dos casos são baías, maravilhosamente esculpidas pela dança do mar, do vento e do tempo.

IMG_6934.jpg

IMG_6935.jpg

IMG_6939.jpg

IMG_7514.jpg

 

Subindo a montanha em direção ao norte de Montenegro, encontramos uma barragem absolutamente maravilhosa. A fotografia foi tirada no regresso da viagem, ao fim da tarde, e por isso tem as cores da tempestade que se aproximava. Mas, de manhã, nunca tinha visto igual. A água era um gigante espelho azul turquesa, ao ponto de conseguirmos ver todo o detalhe da montanha e do céu só a olhar para a água. 

 

 

IMG_6946.jpg

Esta barragem foi construída no rio Tara, na fotografia abaixo. Este rio é o maior reservatório de água potável do mundo e situa-se no segundo maior canyon do mundo (logo a seguir ao Grand Canyon). Isto quer dizer que o rio tem um caudal inacreditável, é extremamente profundo, e as montanhas que o acompanham são extramamente altas. Outra coisa interessante é que há uma parte do rio Tara que funciona como fronteira natural - de um lado do rio é a Bósnia, do outro é Montenegro. Assim, sem forma de haver enganos.

 

IMG_6944.jpg

 

 

31
Ago18

As primeiras vistas de Montenegro

 Kotor, em Montenegro, é uma cidade costeira situada numa baía calma do mar Adriático. É rodeada de montanhas de rocha escura e com vegetação parca. Todos os dias recebe navios de cruzeiro que trazem turistas que passam o dia a aproveitar a cidade antiga. Esta cidada é um pouco como Dubrovnik, na vizinha Croácia ( e apenas a 1h15 de viagem de carro). Tem uma muralha enorme que sobe a montanha, onde se pode subir. São mais de 1000 degraus para cada lado (45 minutos sem paragens), mas dizem os corajosos que as vistas valem todo o sofrimento. Para quem quer uma viagem mais descansada, há cafés e pontos de descanso na subida. 

 

IMG_1208.jpg

IMG_1210.jpg

De ambos os lados da cidade antiga há pequenas vilas com muita oferta de alojamento e pontos de interesse menos turísticos (maioritariamente igrejas). Nós ficamos em Prçanj, a parte mais sossegada da baía e que atrai quem procura descanso, silêncio e umas vistas de cortar a respiração.

IMG_1186.jpg

Acordamos e vemos montanhas, a toda a volta, de um lado mais verde, de outro mais negro e inóspito, e e essas montanhas terminal num mar, quase lago, uns dias verde, outros mais azul, cujas únicas ondas são devido aos pequenos iates que vão passando. Imaginem os Fjords, mas nos Balcãs. 

IMG_1199.jpg

 

 

 

27
Jun18

O dia mais bonito da minha última viagem ao Quénia

Apesar de todos os contratempos que tivemos durante o trabalho de campo, conseguimos terminar o trabalho com um dia de antecedência. Por isso, aproveitámos o nosso dia de folga para fazer um passeio de barco até à ilha Wasini.

 

Saímos às 7h30 da manhã com o pequeno-almoço tomado e conduzimos cerca de 75 minutos. A maior parte da viagem foi tranquila, embora os últimos 20 minutos tivessem sido por estradas de terra, cheias de buracos, lombas, mini-lagos e tudo o que possam imaginar.

 

Chegamos cedo, esperamos bastante até que todas as pessoas chegassem e saímos de barco. A viagem demora 1h30 até às ilhas onde se faz o mergulho/snorkelling/chapinhas na água. O barco é velho e cheio de pessoas. Mas quando se chega ao destino e vemos a água tão cristalina, tão bonita, tão pura, tudo vale a pena.

 

Eu fiz snorkelling porque ia voar no dia seguinte de manhã e por isso não podia mergulhar. Fizemos 45 minutos à Porto de snorkelling intensivo. Não acreditam? Pois, acreditem. O barco deixou-nos nos recifes e foi à vida dele. Nós tivemos de dar à barbatana (que é como quem diz pernas porque não tínhamos barbatanas nem pés de pato) até encontrarmos o barco. Não tenho bem a certeza da distância, mas terá sido 1 a 2 Km porque nadamos 45 minutos seguidos sempre a bom ritmo. Pelo caminho, vi peixes de todas as cores e feitios que possam imaginar, anémonas, raias, corais gordos e saudáveis. Só não vi peixes grandes nem moreias. O maior peixe que vi deveria ter cerca de 30cm. Mas aquelas cores, ai as cores.

 

Embarcámos, fomos buscar os mergulhadores e seguimos para a ilha principal (cerca de 1h) para almoçar. Almoçámos peixe grelhado com molho de coco e arroz, também tinha chapati, pasta de chilli, batatas cozidas e um estufado de algas que me surpreendeu pela positiva. Como podem imaginar, tudo muito simples, mas estava bom.

 

Depois de um intervalo pela ilha, regressamos para terra e fomos à nossa vida salgados, cansados e felizes.

 

Vejam o vídeo:

 

 

19
Jun18

Apresento-vos a praia

Olá caríssimos.

Hoje trago-vos as vistas de Diani Beach, no sul do Quénia. Banhado pelo Oceano Índico, é uma zona tranquila. Tem vários hotéis, resorts, aparthotéis e uma praia linda de morrer, especialmente quando a maré está vaza.

 

Podem chegar cá vindos de Nairobi de carro (12 horas – não façam isso às vossas vidas) ou de avião. Há várias ligações diárias para um pequeno aeródromo (Ukunda). Também podem vir de Mombasa de carro (1h45), de comboio, ou de avião.

 

 

 

 

A praia termina na foz do Rio Kongo. De lá, podem ver o pôr-do-sol sentados num cordão de areia que separa os dois lençóis de água. Vi pessoas a levarem uma mala térmica com bebidas e uma toalha grande e a passarem assim o fim da tarde em sossego máximo a ver a beleza que o planeta nos oferece todos os dias.

 

 

 

As desvantagens deste lugar são as desvantagens de qualquer sítio em África. É preciso regatear tudo, as praias mais concorridas têm vários “beach boys”. (São rapazes locais que metem conversa, contam a história da terra e vendem cocos e pedem dinheiro. Podem ser muito chatos.) É preciso repelente de mosquitos forte, especialmente para a partir das 5h da tarde. A zona local (que é fora da linha da praia) é feia, com as barracas lojas típicas, lixo e barulho.

17
Jun18

Pânicos do primeiro dia

Vou partilhar um excerto do meu diário de bordo da minha atual viagem ao Quénia. Nos primeiros dias escrevo sempre mais, é a minha maneira de me habituar e de racionalizar tudo o que sinto. Este foi o meu primeiro dia. 

 

Acordei às 6h da manhã, tomei o pequeno-almoço e esperei. Éramos para sair às 6h30, depois às 8h30, depois já nem sabíamos se íamos nesse dia. A viagem que nos esperava era de 12h, desde Nairobi até Diani Beach, na parte de sul da costa.

 

Acabei por passar a manhã no escritório a passar todos os ficheiros importantes dos super-computadores para o meu porque disseram-me que não havia Internet em Diani. Eu e a Kawira acabamos por ter de ir de avião porque já não havia lugar no carro para nós. Claro que não nos fizemos de rogadas.

 

Saímos já tarde para o aeroporto e íamos a caminho do aeroporto doméstico quando reparei que o voo era do aeroporto internacional. Estávamos presos no trânsito... Nem para um lado, nem para o outro.

Entrei um bocado em pânico. Rezei, chamei todos os seres de luz que me pudessem salvar e lá cheguei ao aeroporto já depois da hora de fecho do check-in. Aprendi que aqui eles são mais relaxados em relação a isso, mas foi por um triz. Passámos a segurança e já estávamos a embarcar.

 

Chegámos a Diani e a nossa boleia não estava lá. Ainda estavam perdidos no meio do campo, por isso tivemos que nos desenrascar. Os taxistas queriam 1000Ksh (10€) para uma viagem que deve custar 200Ksh (2€). Dissemos que não e fomos a pé pela rua até encontrarmos um tuk-tuk que nos salvasse. Quando chegámos, tomei um banho e fomos ao supermercado. Fiquei com o melhor quarto, cama dupla e bom colchão, com casa-de-banho privada. Mas é tudo sujo. Ainda bem que trouxe chinelos. Tudo isto é carregado de pó, pedrinhas, bichinhos. Mas tenho água quente e uma rede mosquiteira.

 

Já não me lembrava da realidade dos supermercados do Quénia. Trouxe pão de leite e água. Também compramos o nosso jantar, mas para uma vegetariana como eu torna-se muito complicado. Jantei chapati e uma Fanta (já não bebia Fanta desde a última vez que vim para o Quénia). No fim, fomos descansar porque devíamos sair às 7h da manhã no dia seguinte. O pessoal que veio de carro só chegou por volta das 00h30. Agradeci tanto ter vindo de avião, ninguém imagina.

08
Jun18

Quando as necessidades básicas mudam

A primeira coisa que se vê à saído aeroporto em Nairobi são três lojas de operadoras de telecomunicações - aka vendendores de cartões sim com pacotes de internet, chamadas, e tudo o mais.

 

 

A verdade é que a primeira coisa que fiz quando passei a alfândega foi comprar um cartão com 6Gb* internet para o telemóvel - antes de encontrar o taxista que me esperava, antes de beber água, antes de fazer xixi. E o que também é verdade é que mal o cartão foi ativado e eu consegui enviar uma mensagem para casa e receber uma resposta, tudo se tornou mais bonito. 

 

Podem dizer que tenho as prioridades trocadas e que a minha geração está dependente da internet e um monte de outras coisas. Não interessa. O que interessa é que são as mensagens e as chamadas whatsapp, as stories no instagram e a capacidade de receber emails e de aproveitar tempos mortos para trabalhar à distância, que me fazem aguentar a distância, a saudade e todas as peripécias que se vivem quando estamos fora do nosso conforto.

 

Os nossos avós emigrantes passavam meses sem falar para casa e só o faziam por carta. Era uma triste realidade. Nós, felizmente, não temos necessidade disso portanto não vejo razão para sofrer. 

 

 

*Pode parecer exagero, mas não há wireless onde estou por isso o telefone serve também de hotspot quando preciso de receber ou enviar ficheiros pelo computador. 

06
Jun18

Às vezes nem eu me percebo.

Quando falei em “mixed feelings” neste post, disse-o porque provavelmente esta será a minha última viagem de campo dos próximos dois anos e eu não me consigo decidir se estou feliz ou triste com isso. E este sentimento é recorrente.

 

Sempre que vou sozinha em viagens de mais de uma semana nunca sei bem o que sentir. Quando levanto voo toda eu sou uma tristeza só. Não quero ir, não quero ir e não quero ir. Os primeiros dias são estranhos porque tenho saudades de casa e porque estou a conhecer pessoas novas e a habituar-me ao lugar. Depois lá começo a olhar para a frente, o trabalho começa a correr bem e eu ganho ânimo. As semanas do meio são o mais complicado porque o cansaço começa a falar mais alto. A semana do fim é toda ela uma alegria por razões óbvias. 

 

Posto isto, quanto termino o trabalho e regresso a casa, venho num cansaço só, mas toda contente porque me superei, consegui os objectivos e ganhei mais uma experiência. Esta alegria toda mantêm-se ao ponto de continuar a aceitar estes projetos. É como se tivesse memória seletiva e me esquecesse do quanto odeio a viagem de ida e os primeiros dias. Só que o problema não é a memória porque eu lembro-me bem. O problema sou eu que sou parva e por algum motivo acho piada a colocar-me em situações desconfortáveis. Isso e o trabalho. Adoro o trabalho. 

02
Jun18

Packing my bags

Estou a fazer as malas para possivelmente a minha última viagem de trabalho de campo dos próximos dois anos. 

 

~ Mixed Feelings ~

 

Vejam aqui no mapa onde fica o local para onde vou: Shimba Hills National Reserve

Picture1.png

 

As expectativas estão baixíssimas depois da experiência complicada de Busia. Mas já ouvi dizer que tem praia perto e são apenas 17 dias. Por isso, espero que seja mais agradável. 

 

Wish me luck!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D